28 de março de 2011

Discipulado Cristão


Bom dia, meus amados!! Como começou a semana de vocês? Firmes na Rocha, eu creio... Eu estava vasculhando umas coisas por aqui e acabei achando um material, um esboço na verdade, de uma palavra que eu ministrei no retiro da nossa Geração no mês passado e pensei em compartilhar com vocês. Peço um pouco de boa vontade porque, como eu disse, é apenas um esboço, a palavra não está completa, mas espero que possam ser abençoados assim como eu fui abençoada ministrando sobre esse assunto que é tão importante. Aí em baixo o esboço. Graça sobremaneira em tua vida!!! bjos.. =*

Texto Base: João 6: 53-71
No texto lido Jesus acabara de realizar a primeira multiplicação dos pães e isso atraía as multidões. A multidão é sempre atraída pelos sinais e maravilhas, por isso é o nível de relacionamento mais superficial que podemos ter com o Senhor. O interesse da multidão estava intimamente atrelado a conveniências pessoais. São aquelas pessoas que buscam a Deus não por aquilo que Ele é, mas pelo que Ele pode lhes oferecer, numa espécie de barganha com o Senhor.
Consciente da sua missão e tendo conhecimento pleno do real interesse da multidão, Jesus começa a explanar os fundamentos do discipulado, os desafios e as implicações que teriam sobre os seus seguidores. Ou seja, Ele começou a passar “um filtro”, fazer separação entre a multidão (que também eram conhecidos com discípulos) e seus discípulos verdadeiros.
Comecemos então a analisar o que seria o discipulado.
ü Discipulado é a relação estabelecida entre DISCIPULADOR (mestre) e DISCÍPULO (seguidor/aprendiz), baseado no modelo de Jesus e seus discípulos:
“Então Jesus subiu ao monte e sentou-se com os seus discípulos.” Jo 6:3
“Os discípulos foram e fizeram o que Jesus tinha ordenado.” Mt 21: 6
ü Nesse relacionamento o mestre deve imprimir em seu aprendiz o caráter de Cristo, reproduzindo o verdadeiro relacionamento com Deus que lhe é necessário para cuidar de vidas.
ü Processo de formar vidas. É no discipulado que é ensinado ao cristão seu novo estilo de vida, baseando-se nas escrituras. Ele aprende a viver à luz do Evangelho.
ü O discípulo aprende pelo exemplo, não apenas pelas palavras:
“Então ele se voltou para os seus discípulos e lhes disse em particular: ‘Felizes são os olhos que veem o que vocês veem. Pois eu lhes digo que muitos profetas e reis desejaram ver o que vocês estão vendo, mas não viram; e ouvir o que vocês estão ouvindo, mas não ouviram’.” Lc 10:23-24
“Então Jesus passou a percorrer os povoados, ensinando. Chamando os Doze para junto de si, enviou-os de dois em dois e deu-lhes autoridade sobre os espíritos imundos.” Mc 6:6-7
ü Para o discípulo existem três palavras-chave: Obediência (Hb 13:17), Honra (Rm 13:7) e Compromisso.
ü Para o discipulador existe uma palavra-chave: Importar-se.
ü Para o discipulado existem duas palavras-chave: Amor e Confiança.
ü É alguém mais maduro ajudando o outro, que é mais novo na fé. Dessa forma, ninguém fica só. Todo “recém-nascido” tem um “pai” ou uma “mãe” espiritual, que vai cuidar dele e alimentá-lo.
“Não estou tentando envergonhá-los ao escrever estas coisas, mas procuro adverti-los, como a meus filhos amados. Embora possam ter dez mil tutores em Cristo, vocês não têm muitos pais, pois em Cristo Jesus eu mesmo os gerei por meio do evangelho. Portanto, suplico-lhes que sejam meus imitadores. Por essa razão estou lhes enviando Timóteo, meu filho amado e fiel no Senhor, o qual lhes trará à lembrança a minha maneira de viver em Cristo Jesus, de acordo com o que eu ensino por toda parte, em todas as igrejas.” I Co 4:14-17
ü O discipulador deverá buscar discernimento espiritual para entender o momento onde já não é mais necessário o “leite”, podendo esse ser substituído pelo “alimento sólido”.
“De fato, embora a esta altura já devessem ser mestres, vocês precisam de alguém que lhes ensine novamente os princípios elementares da palavra de Deus. Estão precisando de leite, e não de alimento sólido! Quem se alimenta de leite ainda é criança, e não tem experiência no ensino da justiça. Mas o alimento sólido é para os adultos, os quais, pelo exercício constante, tornaram-se aptos para discernir tanto o bem quanto o mal.” Hb 5: 12-14
OBS: Nesse momento é necessário maturidade ao discípulo; ciúmes (que geralmente surge quando há um novo discípulo) costuma ser um atrapalho para ambos.
ü Não basta ser discípulo, é necessário ser um discípulo que gera discípulos!
ex: Moisés e Josué. Quando morreu, Moisés deixou Josué preparado para liderar Israel na entrada na Terra da Promessa. O mesmo não pode se dizer sobre Josué. Quando ele morreu, não havia ninguem que assumisse seu lugar e cuidasse do povo.

Larissa Caldas.

2 comentários:

  1. Muito bom é ter vc por aki, Bia!

    sempre mt bem vinda!! *-*

    obrigada. (=

    ResponderExcluir